Gestão de Vulnerabilidades: Como proteger seus ambientes de TI

Gestão de Vulnerabilidades: Como proteger seus ambientes de TI

Publicado em 17 de junho de 2021

Diversas são as companhias que se preocupam cada vez mais com a gestão de vulnerabilidades de suas instalações. Em especial no departamento de TI, esse é um processo mais do que necessário atualmente. Ciberataques e vazamentos ocorrem com frequência, e estar preparado para eles é a melhor forma de evitá-los.

Para isso, porém, é preciso contar com uma boa política de segurança organizacional e ferramentas adequadas. Com o avanço da tecnologia, afinal, a identificação dessas ameaças se tornou mais complicada, mas não impossível. Dessa forma, o melhor a se fazer é premeditar os inconvenientes e se manter sempre atualizado.

Se este é um tema que lhe interessa, o texto abaixo é para você. Confira o que é a gestão de vulnerabilidades e como realizá-la para estar sempre protegido.

O que é a gestão de vulnerabilidades?

De forma simplificada, a gestão de vulnerabilidades é um processo no qual as empresas buscam por falhas em seus sistemas. Assim, essas organizações investem seu tempo e dinheiro em estratégias para diminuir tais ameaças. O conceito também engloba táticas de prevenção, manutenção e atualização de todos os softwares. Todo esse mercado, afinal, está em constante evolução.

Essa, aliás, é uma das maiores vulnerabilidades que uma companhia pode apresentar: a falta de atualização. A cada dia surgem novos programas e maneiras de invadir um sistema. Sendo assim, esse é um processo contínuo, que precisa de investimento todos os meses para se manter ativo e efetivo.

Proteção dos ambientes de TI

Como toda boa política de segurança, a gestão de vulnerabilidades possui etapas que devem ser seguidas. Elas têm como foco confirmar que todos os processos necessários sejam realizados. Assim, garante-se a eficácia da estratégia ao acompanhar cada um dos passos dessa jornada. Confira abaixo quais são eles e porque segui-los.

Preparação

Ao contrário do que muitos pensam, os riscos presentes na internet não são simplesmente removíveis. Não basta apenas passar um programa antivírus ou um scanner para mitigá-los. Na realidade, todo o processo de gestão de vulnerabilidades se inicia na preparação, o primeiro passo deste caminho.

Aqui, os dados são divididos de acordo com seu grau de importância e potencialidade de ataque. Em especial, deve-se ficar atento às informações pessoais de clientes e funcionários, principalmente com a LGPD em ativa. Além destes, qualquer material confidencial da companhia apresenta alto interesse para os hackers. Saber o que pode ser atacado também é se proteger do ataque.

Busca por vulnerabilidades

Com o conhecimento dos arquivos que são mais propensos a sofrerem ataques, chega o momento de buscar por falhas. Em geral, são utilizadas ferramentas para realizar um diagnóstico de todo o sistema. Essas apresentarão ao departamento de TI os locais mais desprotegidos da companhia, os quais devem ser corrigidos.

Nesta etapa da gestão de vulnerabilidades, também devem ser acionados todos os tipos de proteção disponíveis. De análises de rede a logs de firewall, todas devem ser checadas a fim de encontrar qualquer não conformidade.

Aqui, é indicada a utilização de soluções automatizadas e que realizem o trabalho de forma periódica e constante. Assim, os riscos ficam menores e mais controlados.

Detecção e diagnóstico de vulnerabilidades

Mesmo com o maior investimento possível, é bastante provável que se encontre falhas em seu sistema. Os motivos para isso são muitos, mas passam por erros humanos, evolução da tecnologia e conhecimento técnico dos hackers. Assim, em um momento ou outro, sua gestão de vulnerabilidades encontrará um problema a se resolver.

Isso não quer dizer, necessariamente, que sua empresa tenha sofrido um ataque, mas sim que há a possibilidade de isso ocorrer. Assim, o ideal nesse momento é compreender o que causou essa situação. Esse diagnóstico é importante para evitar que aconteça novamente, especialmente em outras áreas do sistema.

Análise de dados

Com tudo o que foi feito acima em mãos, chega o momento de analisar os dados tirados do processo. Esta não é uma tarefa simples, visto os sistemas tecnológicos das empresas estão cada vez mais complexos.

Em muitos casos, o volume de informação encontrado é maior, inclusive, do que o setor de TI tem capacidade de analisar. Esse é mais um desafio da gestão de vulnerabilidades. Para não se perder aqui, indica-se a utilização de ferramentas que possam automatizar e facilitar o processo.

Além de tornar tudo mais rápido e efetivo, a estratégia permite que seus colaboradores tenham tempo para realizar suas atividades rotineiras. Aderir a esses softwares se mostra, portanto, como uma maneira de aumentar também a produtividade de sua equipe.

Gerar relatórios e acompanhar métricas

Um ponto bastante importante em toda essa discussão diz respeito à forma como as organizações utilizam as informações. É importante, afinal, não somente encontrar falhas, mas também entender como e porque ocorreram. Esse tipo de análise é o que permitirá que os mesmos erros não sejam cometidos novamente e a empresa seja ainda mais segura no futuro.

Com este fim, muitas companhias se utilizam de relatórios e métricas. Os primeiros têm como objetivo informar os demais sobre a atual situação da gestão de vulnerabilidades. O segundo, por sua vez, tem a função de analisar, de maneira constante, a evolução dos índices. Essa é uma forma, também, de avaliar os esforços da empresa e seus resultados.

Solução de vulnerabilidades

Com tudo o que foi feito até agora, chega a hora de, enfim, solucionar cada uma das falhas encontradas. Essa é uma das principais etapas da gestão de vulnerabilidades e merece sua total atenção. É aqui, afinal, que você poderá de fato proteger seu sistema, sua companhia e os dados de seus clientes e colaboradores.

A quantidade de pontos levantados nos relatórios, entretanto, pode ser maior do que você pode cuidar. Se for o caso, o ideal é voltar alguns tópicos acima. Primeiramente, rastreie os pontos mais importantes que se encontram vulneráveis. Em seguida, busque por ferramentas que o auxiliem a eliminar tais erros de maneira rápida e eficaz.

Saiba mais sobre gestão de vulnerabilidades

Como você pôde perceber, seguir as etapas descritas acima é vital para manter uma boa gestão de vulnerabilidades. Ainda assim, também é clara a necessidade de contar com ferramentas que possam te auxiliar nessa tarefa. Para isso, porém, o mais indicado é contar com parceiros com experiência e conhecimento para estarem ao seu lado.

Presente no mercado desde 2005, a Centric é a parceria que você precisa nesse momento. O foco da empresa está na implementação, treinamento e suporte, trabalhando para que você possa ter atenção total em seus negócios. Segurança é uma necessidade atual, e aqui você pode encontrar as melhores soluções para isso. 

Ficou interessado? Entre em contato com um especialista da Centric para mais informações.


Escreva um comentário

* Seu comentário aparecerá após a aprovação do moderador.

Fale com a Centric

Nosso canal com os profissionais de TI

Centric Academy