Tecnologia em hotéis: conheça as cinco principais medidas de segurança

Tecnologia em hotéis: conheça as cinco principais medidas de segurança

Publicado em 24 de novembro de 2020

Quando viajamos, seja a trabalho ou a lazer, buscamos nos hospedar em quartos confortáveis e com boa estrutura, não é mesmo? O setor hoteleiro exerce papel fundamental na economia de um país, movimentando cifras bilionárias. Isso demanda que o investimento de tecnologia em hotéis também ocupe posição de destaque no setor.

É uma preocupação cada vez mais necessária para a área. Afinal, a transformação digital também já chegou aos hotéis antes mesmo da pandemia de covid-19. A sexta edição da Pesquisa de Canais e Distribuição, do Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil (FOHB), indica que quase metade das reservas (48%) já é feita digitalmente.

Diante disso, você já parou e pensou na quantidade de informações disponibilizadas pelos hóspedes a essas empresas? Seja de forma direta, no check-in, ou indireta, com a reserva em uma agência de viagem, entramos e saímos dos quartos sem nos preocuparmos com os dados digitais deixados pelo caminho.

São os cadastros no momento do check-in, documentos financeiros no momento do check-out, além dos dados trafegados em redes Wi-Fi nos quartos e áreas comuns. Esse setor é um dos que mais utilizam as informações de seus clientes para garantir melhores produtos e serviços personalizados.

Portanto, em um mundo onde a preocupação com os dados pessoais é a base da cidadania, com criação de leis para regular seu uso, é dever dos hotéis garantir que as informações de seus clientes estejam protegidas e sejam usadas com um único fim: garantir o maior conforto durante sua estadia no local.

Por que investir na tecnologia em hotéis?

Explicamos que o setor hoteleiro lida com uma grande quantidade de dados pessoais em seus serviços. Isso exige que as empresas redobrem a atenção e o cuidado em sua equipe de tecnologia da informação. Afinal, estamos falando de um ativo muito importante na estratégia do negócio.

O uso da tecnologia em hotéis deve preservar a integridade dos dados de seus hóspedes (e da operação em si) diante da ação cada vez mais intensiva de cibercriminosos. Sabendo do valor que essas informações têm, tanto financeiro quanto simbólico, eles buscam brechas na segurança digital do estabelecimento.

Além disso, o surgimento de leis e regulamentações de tecnologia obriga as empresas que lidam com dados (seja na coleta, seja no armazenamento ou no tratamento) a se adequarem às boas práticas. No Brasil, a Lei Geral de Proteção aos Dados Pessoais (LGPD) entrou em vigor em setembro de 2020 e impacta diretamente o setor hoteleiro.

Cinco medidas de segurança da informação para hotéis

Os cuidados que a tecnologia em hotéis exige passa, principalmente, pelo controle das redes de Wi-Fi, gestão de acesso de funcionários e hóspedes a diferentes sistemas e camadas de proteção aos dados. Confira as melhores medidas:

1 – Gerenciamento de redes Wi-Fi

Há redes específicas nos quartos, nas áreas comuns (como restaurantes) e até mesmo aquela específica para a operação do negócio. Logo, é preciso gerenciá-las de forma adequada, principalmente com uma solução capaz de realizar essa tarefa de forma prática, rápida e eficiente, antevendo possíveis riscos e monitorando a performance de tráfego.

2 – Controle de acesso

A falta de cuidado com o login e o logout dos funcionários, senhas fracas e/ou compartilhadas, falta de um duplo fator de autenticação, contas inativas e a liberação indevida de acesso a diferentes recursos são pontos explorados por cibercriminosos. A alternativa é combinar uma política rigorosa de acessibilidade das informações, contando com ferramentas que identificam quem está tentando entrar em cada sistema.

3 – Proteção aos dados

Não, não estamos falando de um antivírus – é um bom recurso, mas sua estratégia é complementar. Aqui, é necessário implementar uma solução de tecnologia em hotéis capaz de fornecer diversas camadas de segurança aos ativos digitais, varrendo todo o sistema atrás de possíveis falhas.

4 – Atualização dos sistemas

Um computador desatualizado é como uma janela aberta em um castelo, permitindo que os cibercriminosos possam explorar. A falta de atualização impede que as máquinas tenham o que há de mais moderno em proteção. É tarefa árdua de se fazer manualmente, mas que hoje conta com recursos disponíveis no mercado que a automatizam.

5 – Backup contínuo

Uma forma de reduzir o dano caso haja alguma vulnerabilidade é manter cópia atualizada das informações mais importantes. O bom e velho backup dos arquivos. Não se trata, claro, de colocar um profissional para copiar e colar de um local a outro, mas de implementar uma ferramenta que desempenha essa função de forma inteligente.

Hotel: busque fornecedores de tecnologia com experiência no mercado

A lista, claro, não termina aqui. Há outras medidas que podem – e devem – ser adotadas pelos hotéis que desejam proteger suas informações digitais. Felizmente, é possível contar com o apoio de fornecedores de tecnologia com larga experiência no mercado.

A Centric, por exemplo, tem mais de uma década de experiência em gestão da informação e soluções em TI, trabalhando com as principais empresas do mercado. Com sua equipe especializada, é capaz de fazer o diagnóstico adequado e recomendar a melhor tecnologia em hotéis de acordo com os objetivos.

E aí, o que achou do texto? Quais as principais dificuldades que seu hotel encontra quando o assunto é TI? Conte para a gente nos comentários e aproveite para encontrar as soluções com que trabalhamos e oferecemos no país!


Escreva um comentário

* Seu comentário aparecerá após a aprovação do moderador.

Fale com a Centric

Nosso canal com os profissionais de TI

Centric Academy